Mãe, eu tenho medo da tristeza

eu tenho medo da tristeza

“Mãe, eu tenho medo de não ser mais feliz. Eu Tenho medo da tristeza.”

A frase chega como um atropelamento e eu preciso lembrar de respirar, antes de sentar com minha filha no colo, ganhando alguns segundos para pensar no que dizer.

Juju me olha com seus olhinhos arregalados e vejo neles umas tintas de tristeza que faz doer minhas entranhas. Medo de não ver minha filha feliz.

Porque você tem medo disso, filha?

– Porque eu gosto de ser feliz.

Acho que todos gostamos, amor. E porque você gosta de ser feliz?

– Porque eu me sinto bem. Meu coração fica alegre e eu tenho vontade de fazer tudo.

Entendi. Mas você sabe que existe uma diferença entre alegria e felicidade?

– Sério? Não sabia. Qual é a diferença?

Alegria é um sentimento momentâneo causado por algo que normalmente vem de fora de você. Você fica alegre quando brinca com as amigas, quando come uma comida gostosa, quando me dá um abraço quentinho. Felicidade é um estado de espírito. Felicidade é um conjunto de coisas que vem de dentro de você. Você pode ter um dia ruim e ainda assim ser feliz. Você pode ter dor ou se decepcionar com alguém. Vai ficar triste mas não vai ser uma pessoa triste. Porque você é feliz, vai saber que aquela tristeza vai passar.

– Mas eu não gosto da tristeza.

Vou te contar um segredo. A tristeza é como uma visita indesejada. Você não a convida, mas ela aparece mesmo assim. Bate na sua porta e pede para entrar.

Se você não abre a porta ela vai ficar rondando a casa feito um fantasma. Esperando a primeira oportunidade.

Mas se você acolhe a tristeza, aceita sua visita e a deixa entrar ela vai sentar na sala. Converse com ela, ofereça chá com bolinhos.

Mas fique atenta. Não deixe ela gostar de ficar. Depois de conversarem e se entenderem, levante e mande ela embora. Que vá visitar outra pessoa agora! Tristezas tem mania de gostar de ficar mais tempo do que devem. É preciso mandá-las embora.

Minha menina sorri e diz que gostou da conversa. Sai toda saltitante depois de me dar um abraço e dizer que me ama.

Eu sinto um aperto no peito ao mesmo tempo que ouço uma batida na porta do coração. É a tal visita indesejada que resolveu aparecer, sem ser convidada. Levanto e vou preparar o chá.

 

________________________________________

Leia outros artigos sobre maternidade e  infância aqui:

 

 Sai daqui que eu não quero te ver

Os piores pais do mundo

Procurando Pokèmon Go

Liderança feminina e a síndrome de Rapunzel

Senso de justiça

Lógica infantil

Quando nasce um bebê

Sobre os avós

Melhor que eu

Sobre pequenas felicidades

Ética para crianças

Os anjos no caminho

Compartilhe este Post!

Sobre o Autor : Claudia Bins

2 comentários

  1. Luana Reis 2 de outubro de 2017, 13:55 comentar

    Que lindo!! É bem isso mesmo… Texto perfeito!
    Tenho minhas meninas pequenas também e agora conseguirei explicar melhor para elas sobre a tal visita indesejada… de uma forma tranquila.
    Beijocas!

  2. Jerusa 6 de outubro de 2017, 19:36 comentar

    Adorei, Claudinha!

Deixe um comentário

Seu e-mail não será exibido.

error: Content is protected !!