Museu Nacional do Azulejo

Museu nacional do azulejo

O post de hoje conta como foi nossa visita ao Museu Nacional do Azulejo, na cidade de Lisboa. Passamos uma manhã inteira nos deliciando com o incrível acervo das exposições permanentes e temporárias, aprendendo sobre aquele que, com o passar dos anos, tornou-se símbolo máximo da cultura portuguesa. Recomendamos fortemente a visita, mesmo com crianças, e sugerimos 2 horas para a visita, com pausa para um café ou até mesmo uma refeição na linda cafeteria do museu.

 

Museu Nacional do Azulejo

Azulejo

Ao contrário do que pode-se pensar, a palavra Azulejo não vem da cor Azul. Ela tem origem na palavra árabe Azzelij (ou al zuleycha), que significa “pequena pedra polida” e designa uma peça cerâmica, geralmente quadrada, em que uma das faces é vidrada.

 

Museu Nacional do Azulejo

Museu Nacional do Azulejo, em Lisboa

Era uma linda manhã de domingo, dessas em que o ar frio do inverno torna tudo límpido e os olhos enxergam muito longe. Deixamos nosso apartamento alugado pelo site Homeaway, no bairro da Graça e descemos uma das tantas ladeiras de Lisboa em direção ao Tejo. Dessa vez nosso caminho não rumava à Baixa, onde normalmente iria um turista em visita à cidade. Ao invés disso, quando chegamos à Av. Infante Dom Henrique dobramos à esquerda e seguimos em frente, na direção do Parque das Nações.

Poderíamos ter chamado um Uber ou até mesmo um ônibus, mas a caminhada de 1,5 km não nos assustou. O dia estava ótimo para passear.

Museu nacional do azulejo

Fachada do Museu Nacional do Azulejo (Foto: Museu Nacional do Azulejo)

Nosso destino era o antigo Convento Nossa Senhora da Madre de Deus. A pérola quase escondida de Lisboa, que desde que foi fundado em 1509, pela Rainha D. Leonor,  sofreu várias intervenções, até se tornar o vernáculo da história do azulejo em Portugal, documentando tudo a respeito das pequenas obras de arte ao longo dos último cinco séculos.

Quem nos acompanha já sabe que eu adoro uma lenda, então pesquisei um pouco e descobri essa aqui:

 

O Nome do Convento

Reza a lenda que D. Leonor andava angustiada sem saber que nome dar ao convento, quando então lhe apareceram
dois belos jovens que lhe propuseram a compra de uma imagem de rara beleza: uma representação da Madre-de-Deus.
D. Leonor recusou-se a comprar devido ao valor elevado da peça, mas os moços deixaram-na ficar com a imagem,  
por uns dias, para que ela pensasse melhor. Só que nunca mais voltaram. A rainha entendeu que seria um sinal dos céus
– os dois jovens seriam anjos e a imagem dava-lhe a resposta às dúvidas sobre o nome do convento.

 

O Museu Nacional do Azulejo nasceu  em 1965, embora ainda na dependência do Museu Nacional de Arte Antiga. Somente em 1980, passou a ser o Museu Nacional do Azulejo.

A visita inicia pelo saguão, onde há a bilheteria. Quando visitamos, em janeiro de 2017, a entrada era gratuita aos domingos até as 14:00. Ainda assim foi preciso pegar os tíquetes de entrada junto ao balcão. Aproveitamos para pegar um folder explicativo das dependências do Museu, com dicas de como fazer a visitação.

O museu oferece ainda um aplicativo gratuito para uma visita guiada. Para baixar é só ir a App Store e buscar por MNAz:

Museu Nacional do Azulejo

App dp Museu Nacional do Azulejo, em Lisboa

Seguimos o percurso indicado, que inicia em uma espécie de claustro ou jardim interno, um tanto decadente em sua conservação, assim como o restante do edifício. Ainda assim, logo na entrada um painel de azulejos brancos e azuis, muito bonito, dá as boas vindas aos visitantes.

Museu Nacional do Azulejo

Os azulejos mais antigos do Museu Nacional do Azulejo

 

A coleção do Museu Nacional do Azulejo estabelece um percurso que vai desde a segunda metade do século XV até à atualidade. Começa por uma breve  apresentação das técnicas de manufactura do azulejo, seguindo a visita uma ordem cronológica através das diferentes salas do Museu.

Aqui um rápido resumo do que há em cada andar:

Piso 0

Azulejaria dos séc. XV a XVII
Exposições Temporárias
Claustro
Igreja da Madre de Deus

Piso 1

Azulejaria dos séc. XVII a XX
Exposições Temporárias
Claustro
Presépio da Madre de Deus
Capela de Santo Antônio

Piso 2

Grande panorama de Lisboa antes do terremoto de 1755

Museu Nacional do Azulejo

Os primeiros azulejos trazidos à Portugal vieram da Espanha


Visitando o Museu Nacional do Azulejo

Já na primeira sala de exposição aprendemos sobre as técnicas de fabricação iniciais das pequenas pedras polidas, e  vemos exemplares Hispano-Mouriscos, de Corda-Seca e Aresta, do início do séc. XVI. Alguns dos azulejos desta sala foram encomendados por D. Manuel I a oficinas de Sevilha, para decorar o seu Palácio da Vila de Sintra. A visita segue através das salas, mostrando a evolução das técnicas de pintura do azulejo, através de peças do séc. XVI e da primeira metade do séc. XVII.  A azulejaria desta época, em regra encomendada pelo Clero para valorizar espaços religiosos, era executada por artífices e aprendizes. As cores mais frequentes eram o azul e o amarelo. 

 

Museu Nacional do Azulejo

A evolução da arte da azulejaria em Portugal

Museu Nacional do Azulejo

Painel religioso com abertura para entrar a “luz do Espírito Santo”

 

Perto da entrada da Igreja chamou nossa atenção um painel que  mostrava o projeto investigativo do inventário do Museu Nacional do Azulejo, onde pudemos ver uma quantidade imensa de caixas e peças em estudo e montagem, que devem, no futuro próximo, entrarem em exposição também.

 

Museu Nacional do Azulejo

Projeto de investigação do patrimônio e entrada da Igreja da Madre de Deus

Museu Nacional do Azulejo

A Igreja da Madre de Deus

 

Continuamos a visita pela Igreja da Madre de Deus, onde ficamos literalmente estupefatos com a riqueza decorativa, tanto nos painéis de azulejo holandeses quanto na riqueza em ouro do altar. A igreja do convento foi fundado no século XVI e contrasta imensamente com o objetivo inicial do convento, que era abrigar freiras Franciscanas Descalças da primeira Regra de Santa Clara. Segundo a história do Convento, contada no site oficial do Museu do Azulejo, “o conjunto arquitetônico deixado pela Rainha D. Leonor, à data da sua morte, era verdadeiramente exíguo, e as queixas das freiras levaram à realização de uma grande campanha de remodelação empreendida por D. João III.”

A Rainha, muito devota e conhecida por sua bondade, pediu para ser sepultada na Igreja, em uma passagem, fato que emocionou todo o reino por sua demonstração de humildade. Não deixe de procurar a pedra cinzenta que sinaliza o sepulcro da Rainha D. Leonor quando visitar a Igreja.

 

Museu Nacional do Azulejo

A Igreja da Madre de Deus

 

A Igreja compreende ainda  a Sacristia, Coros alto e baixo, a Capela da Rainha D. Leonor e a Capela de Santo Antônio.

 

Museu Nacional do Azulejo

Detalhes da Igreja da Madre de Deus

Museu Nacional do Azulejo

Painéis de azulejos holandeses

 

O coro alto é todo ornamentado em talha dourada, já a Capela de Santo Antônio é toda decorada em estilo barroco setecentista e 27 telas do pintor André Gonçalves que retratam a vida do Santo protetor de Lisboa.

Os painéis de azulejos holandeses, na Igreja, foram colocados em 1686 com financiamento de Luís Correa da Paz, Deputado do Tribunal da Junta do Comércio do Brasil que, em troca, obteve das freiras o consentimento para ter ali seu sepulcro, bem como o de sua família. 

 

Museu Nacional do Azulejo

Painéis de azulejo na sacristia

A sala do coro alto tem decoração, no mínimo, estranha. Encontramos ali coisas desse tipo, que não consegui descobrir o que significam. Se alguém souber eu agradeço muito deixar nos comentários!

 

Museu Nacional do Azulejo

Sala do coro alto

Para ir lá é preciso subir as escadas, passando pelo claustro em direção ao Piso 1. 

 

Museu Nacional do Azulejo

Detalhes do Claustro

Onde também visitamos as lindas salas de caça e outras exposições:

Museu Nacional do Azulejo

Salas de Caça

Fazendo graça:

Museu Nacional do Azulejo

Brincando no Museu Nacional do Azulejo

Museu Nacional do Azulejo

Azulejos contemporâneos

 

Quando visitamos havia uma exposição temporária com vídeos explicando a utilização dos azulejos em Portugal, no Séc. XX, mostrando artistas contemporâneos e suas obras espalhadas por Lisboa, como nas estações de metrô. Aqui um exemplo que vemos na estação oriente:

 

Museu Nacional do Azulejo

Painel de azulejos com motivo pop art na Estação Oriente do metrô de Lisboa

 

Uma sala interessantíssima no Museu Nacional do Azulejo, mostra uma série de painéis que adornaram a residência de Antônio Joaquim Carneiro, contanto sua história de vida e marcando fortemente uma época nova na azulejaria portuguesa, quando as encomendas deixaram de ser feita somente pela igreja e nobreza, mas por pessoas da burguesia, que ascenderam socialmente, passando a ter condições de decorarem suas casas também. Assim a história do Chapeleiro Antônio Joaquim Carneiro (1790-1800) mostra que ele deixou o campo ainda muito jovem e foi para a cidade, onde aprendeu o ofício da chapelaria, trouxe seus irmãos para trabalharem com ele, montou uma fábrica de chapéus e se casou.

 

Museu Nacional do Azulejo

A história de vida de Antônio Joaquim Carneiro retratada em azulejos

 

Na visita, aprendemos também que os portugueses passaram a decorar as fachadas de suas casas e edifícios depois do terremoto de 1755, quando a cidade inteira foi reconstruída. A essa altura, a técnica da azulejaria já estava dominada e espalhada pelo país, o que barateou os custos e permitiu que pessoas que não eram nobres tivessem acesso aos azulejos. Outro motivo do sucesso das pequenas peças era que, sendo vitrificadas mantinham as casas e edifícios protegidos da maresia, tão comum nas costas portuguesas.

 

Museu Nacional do Azulejo

A fachada da Fábrica de Azulejos da Viúva Lamego, uma das mais importantes do país

A sala mais impressionante, na nossa opinião, fica no segundo andar, onde um enorme painel  do ano de 1700, com aproximadamente 22 metros, azul e branco, retrata a costa de Lisboa antes do terremoto de 1755. Ao longo do painel existem placas explicativas que ajudam a identificar cada uma das construções e/ou monumentos.

O painel é  riquíssimo em detalhes e acabou por ser o documento histórico, em azulejaria, de como era Lisboa no ano de 1700. Acredita-se que o intuito do painel era retratar “a visão divina sobre a cidade”.

 

Museu Nacional do Azulejo

Imenso painel que retrata Lisboa antes do terremoto de 1755

Museu Nacional do Azulejo

Detalhe do painel: a Torre de Belém, tal como era no ano de 1700

 

Ao final da visita, sugerimos que conheçam a cafeteria do Museu. Ela funciona onde, antes, era a cozinha e refeitório do Convento e é ricamente decorada com painéis de azulejos azuis e brancos, e enfeitadas com peças de cobre, o que dá um efeito incrível ao ambiente. Se estiver calor, vale conferir o jardim verde ao lado.

 

Museu Nacional do Azulejo

A Cafeteria do Museu Nacional do Azulejo

 

Nós almoçamos por lá mesmo. Pedimos sopa para a Juju, Quiche de queijo e fiambre com salada para a Manoela e o marido e eu pedimos o prato de bacalhau. Estava divino e com um preço excelente! Não perca, nem que seja para um café ou uma ida ao banheiro (que é lindo).

 

Museu Nacional do Azulejo

Almoço na Cafeteria do Museu Nacional do Azulejo

 

Se visitar o Museu do Azulejo com crianças, baixe antes ou peça no balcão o Caderno de Atividades, uma atividade lúdica e educativa para os miúdos. Nós adoramos essas atividades e As Passeadeiras se divertem muito procurando as peças e aprendendo mais sobre o museu visitado,

Baixe aqui: http://www.museudoazulejo.pt/Data/Documents/Caderno%20de%20Actividades%201.pdf

Museu do Azulejo

Museu Nacional do Azulejo 
Rua da Madre de Deus, nº 4 | Lisboa
Telefone: (+351) 218 100 340 
e-mail: geral@mnazulejo.dgpc.pt
Website: http://www.museudoazulejo.pt/

Veja aqui um vídeo sobre o Museu Nacional do Azulejo, produzido pelo canal da RTP. Mas não deixe de visitar in loco, afinal, nada substitui a experiência!

 

Gostou do post? Compartilhe no Pinterest essa foto aqui:

Museu do Azulejo

 

Leia outras dicas sobre passear e morar em Portugal, e para acompanhar nosso dia a dia em Portugal é só seguir nosso Instagram @as_passeadeiras e ver os stories e os posts:

 

Apartamento para alugar na ribeira do Douro no Porto

Como alugar apartamento pelo Airbnb

SEF – O Serviço de Estrangeiros e Fronteiras de Portugal – Seu melhor amigo se quer morar aqui

4 Dicas práticas para quem pensa em vir morar em Portugal

PB4 – O que é e como pedir o seu

Colhendo cerejas em Portugal

Procurando onde se hospedar com crianças em Lisboa? Veja aqui nossa dica!

Zoológico de Lisboa – Passeio imperdível com crianças!

Sesimbra – Um bate-volta de Lisboa no melhor estilo BBB – e lindo demais!

Museu do Oriente – Um dos melhores museus de Lisboa

Roteiro pelo Bairro Príncipe Real em Lisboa

Fábrica da Nata – Um dos Cafés mais lindos de Lisboa

Dica de passeio bate-volta desde Lisboa: Visitando Óbidos, a cidade das rainhas

Vá de Lisboa ao Algarve visitando castelos – Um roteiro inesquecível!

Hospede-se em um palácio no Algarve, sem ficar pobre!

Algarve com crianças: Passeando em Faro

Algarve com crianças: um dia em Tavira, a cidade das lendas e do rio de dois nomes

Hotel Vila Galé Évora – Simplesmente inesquecível

Férias em Portugal: 45 dias, 4 alegrias e 1 tristeza

Algarve com crianças: Júpiter Algarve Hotel, a pérola de Portimão

Viajando com crianças? Veja aqui nossas dicas para arrumar as malas

15 dicas para viajar de avião com crianças

Compartilhe este Post!

Sobre o Autor : Claudia Bins

0 Comentário

Deixe um comentário

Seu e-mail não será exibido.