Mamãe é Rock

Mamãe é Rock
Ana Cardoso é  jornalista e socióloga. Ana é mãe da Anita e da Aurora, esposa do Marcos Piangers e é o lado feminino do Papai é Pop. Ana é a mamãe rock’n’roll, aquela que fica com a parte mais radical da criação. Aquela que, provavelmente, assim como você, se desdobra entre fazer o almoço, ajudar no tema, trabalhar, cuidar da casa e, no meio de dezenas de projetos, arruma tempo para escrever um livro. E no meio da loucura do lançamento do livro, arruma tempo para essa entrevista. :-) Com muita alegria e muito orgulho, com vocês, Ana Emília Cardoso, autora do livro Mamãe é Rock:

mamãe é rock

Ana e as filhas Anita e Aurora (foto: Ana Cardoso)

 
1. A mamãe Ana é Rock, como uma rocha ou como Rock’n’Roll?
 
A ideia de rock surgiu da parte mais radical da criação. Por isso, mais pra rock’n’roll, pelo ritmo intenso.
 
2. Fale um pouco sobre a Ana antes e depois das filhas. As maiores mudanças na Ana como mulher.
 
Eu fazia Mestrado, trabalhava em vários lugares, dava aulas em outra cidade às quartas-feiras. Era uma vida muito sem limitações de horários. Eu era casada, a gente trabalhava juntos. Nunca fomos grudados. Tanto eu quanto meu marido sempre preservamos nossa individualidade. Era divertido, a gente saia muito. 
 
Quando a Anita nasceu foi um baque pra mim. Eu tive que parar de trabalhar, havia passado num concurso. Não pude assumir. Sai dos meus grupos de pesquisa. Vendi meu carro antes de ela nascer sem avaliar o que isso significava em Florianópolis. Foi BEM complicado. Minha vida mudou completamente. Perdi a minha autonomia, a minha liberdade. Eu não tinha imaginado aquela vida mais doméstica pra mim, então foi difícil.
 
Levou um tempo para eu assimilar tudo isso. Algumas coisas me acostumei, outras passei a questionar muito, como os papeis de gênero. Eu nunca tinha imaginado como uma criança pode determinar quem você é, passa a ser.
 
Com a Aurora já foi diferente. Eu sabia como era. Então tirei de letra mesmo. Do meu jeito, né? Com muito improviso e criatividade. Pobre criaturinha, morou um ano no nosso closet porque a gente não via sentido em fazer um quarto pra ela. Reformei o da Anita e assim que ela estava maiorzinha, foi pro quarto das meninas grandes. E eu desmontei o berço de acampamento dela.
 
mamãe é rock

Ana e sua família (foto:@piangers)

 
3. O livro Mamãe é Rock conta a tua visão da maternidade, um paralelo ao Papai é Pop. Quando decidiu escrevê-lo e por quê?
 
Eu sempre escrevi histórias da Anita. O fato de vivermos longe das famílias e de termos amigos espalhados pelo mundo me motivava bastante a contar pequenas histórias da nossa vida aqui no RS. Uma hora parei porque não tinha mais tempo. 
 
No ano passado, o pessoal da editora me perguntou se eu tinha interesse em escrever a mamãe é pop, meio em tom de brincadeira. Eu nem cogitei. No entanto, na véspera de viajarmos para o SXSW – evento tecnológico e cultural que acontece em Austin, o editor passou em nossa casa para entregar um quadro de 60 mil livros vendidos para o Marcos. Do nada, o Marcos falou “sabe, eu tava pensando em botar uns textos da Ana no segundo livro. Fazer algo mais da família toda”. O editor gostou. Eu também. 
 
Comecei a escrever algumas ideias no bloco de notas do celular no dia seguinte. Quando tinha juntado umas dez, de qualidade bem duvidável, mostrei a eles. Os dois, de cara, decidiram que eu teria o meu próprio livro.
 
mamãe é rock
 
4. Qual tua visão em relação à infância nos dias de hoje? O que tu gostarias que fosse diferente?
 
Tive uma educação muito aberta e igualitária. Meus pais nunca me proibiram de fazer nada porque eu era menina. Na ponta do lápis, te digo que sempre pude mais do que eles até. Noto que na maioria das famílias hoje não é bem assim. Tem coisas que a gente só passa a perceber quando vira mãe. Essa foi uma delas. Eu não tinha a percepção que o mundo era tão mais perigoso e restrito às mulheres.
 
mamãe é rock

Anita e Aurora (foto: @piangers)


5. E em relação à maternidade? Como tu enxergas a maternidade em relação ao comportamento das mães contemporâneas no Brasil?
 
O fato de eu criar as filhas longe das famílias me faz ser um pouco mais reclamona que a média. Eu me viro nos trinta mesmo. Meu marido viaja muito, eu estou sempre me envolvendo em trocentos projetos ao mesmo tempo, gosto de fazer nossa própria comida, não tenho empregada. Eu sei que poderia facilitar a minha vida, voltar a trabalhar numa empresa o dia todo e não me envolver tanto na casa e na família. Mas, não seria eu, sabe? Eu sempre gostei de cozinhar e de ter tempo para andar de bicicleta e conversar muito com as minhas filhas, de passar a parte trabalhando e rindo com as amigas. Esse é o sentido da minha vida. Acho que tem muita mãe parecida comigo, mas tem várias bem diferentes também. 
 
6. Para ti, qual a melhor parte de ser mãe? E a mais difícil?
 
Melhor parte: chamar elas pra vir na minha cama de manhã e ficar de fofura. Pior parte: tomar chutes quando elas vêm no meio da noite e dominam completamente a cama.
 
7. Conta algum fato pitoresco da vida de mãe, que tenha acontecido contigo.
 
Teve uma vez que eu tava em Fernando de Noronha e a Anita quis fazer xixi. O restaurante, em frente à Cacimba do Padre, não tinha banheiro. Lá fomos nós pro mato. Nisso ela muda de ideia e decide fazer cocô. Saio para pegar guardanapo. Quando volto, várias formigas enormes tinham mordido o pé dela, que já tinha terminado o serviço. Ela berrava. Eu não sabia por onde começar a resolver aquela situação. A galera que tava almoçando assistia tudo. Olha, foi muito tragicômico. 
 
mamãe é rock

Foto: @piangers


8. Vocês costumam passear/viajar bastante com as meninas? Considera isso importante?
 
Muito. Sempre. Pra nós, viajar é a melhor coisa do mundo. A gente não liga pra carro, pra decoração, pra roupas. Eu sou meio riponga. Mas, viajar sim. É pra isso que a gente trabalha. Eu gosto de tudo. Direto meu marido fala: to indo dar uma palestra em Sapiranga. Quer vir junto e a gente janta por lá, dá uma banda? Ele não tem qualquer dúvida da resposta. É lógico que eu topo. As gurias já entraram no clima.

9. Como as meninas se comportam durante as viagens? Dão trabalho, são parceiras?
 
A Anita tá no sexto ano. Isso complica um pouco nossa não-rotina. Antes, a gente não tava nem aí. Teve um ano que passamos 3 meses rolando entre o PR e o Uruguai. Foi muito massa. Elas adoram. E não têm qualquer frescura. São nossas filhas, né?  

10. E sobre tecnologia e crianças, como lidam com isso?
A gente é tecnológico demais pra proibir. Mas, aqui em casa não se assiste tv aberta, não temos tablets e sempre que queremos deixar a Anita de castigo tiramos o celular dela. Funciona MUITO! 
 
Mamãe é rock

Ping-Pong:
 
Um livro: Um livro é sacanagem. Talvez as Aventuras de Huckleberry Finn, do Mark Twain. O último livro que li foi Leite em Pó: crônicas de um vício. É sobre maternidade e outras coisas. O texto é fantástico. Eu amo o Valter Hugo Mae. Acho a Desumanização indescritível. Gosto da Matilda Campilho, do David Sedaris, do João Antonio, do Jonathan Franzen, da Isabel Allende. Sou aquela pessoa da bolsa pesada, sabe?
 
Um filme: Qualquer um com a Kate Winslet. Eu amo ela. 
 
Uma viagem: Tô louca pra ir pras Minas do Camaquã. Dizem que lá têm ETs. Quero dar uma espiada. 
 
Um desejo ainda não realizado: volta ao mundo, lógico.
 
Uma dica de lugar para passear em Porto Alegre: Quem tem filhos e anda com medo, acho que passar o dia n’O Butiá, em Itapuã é a grande pedida. Eu amo ir pra zona sul. Almoçar no Ia Iá (Bistrô), passar no Iberê depois, tomar um vinho e dar uma cochilada. A Aurora com 4 anos dá pra fazer dessas 😉
 
 Um abraço,
Ana Cardoso
Você já garantiu o seu exemplar do livro? Corre lá que ainda tem http://bit.ly/1OeFAjk
____________________________________________
 
Inspiração pouca é bobagem, não é? Corre já para garantir seu exemplar! Nós procuramos mostrar aqui no site entrevistas com mulheres reais, empreendedoras, verdadeiras e… mães! A cada novo post eu fico mais orgulhosa em fazer parte deste time. Cada vez que leio uma entrevista, me encho de orgulho por essas mulheres fortes, guerreiras que fazem a diferença na sua família, na sua comunidade,  enfrentando as dificuldades de cabeça erguida e seguindo em frente, apesar dos desafios.
 
 
____________________________________________

Compartilhe este Post!

Sobre o Autor : Claudia Bins

18 comentários

  1. fanny Carpentieri 14 de junho de 2016, 16:53 comentar

    ótimo saber mais um pouquinho sobre a Ana! Super concordo que só damos conta de alguns fatos depois que nos tornamos mãe!
    Adorei a entrevista e as fotos
    beijos

  2. Adriano Bisker 14 de junho de 2016, 19:19 comentar

    She’s rock!!! Adorei a entrevista, não conhecia e vou passar a acompanhar! legal!!!

  3. Laís Sass 14 de junho de 2016, 19:45 comentar

    Que bacana a entrevista! não conhecia o livro e já quero ler!! :) Mamãe é Rock e Papai é Pop é bom! hahaha Beijos, Clau!

  4. Roberta Soares 15 de junho de 2016, 12:48 comentar

    Parabéns pela entrevista. Muito bom conhecer mais desta familia tão querida.

    Beijos

    • Claudia Bins 15 de junho de 2016, 13:20 comentar

      Obrigada Roberta!tenho muita admiração pela Ana ;-).

      Beijos

  5. Nicácio Belfort 17 de junho de 2016, 13:31 comentar

    Deve ser ótimo o livro, sucesso garantido 😉

  6. Pauleni Gomes 17 de junho de 2016, 17:55 comentar

    Amei a reportagem e conhecerais um pouco sobre essas mamãe cheia se boas experiências.
    @nossasaogemeos.

  7. Luciana Emely 17 de junho de 2016, 19:27 comentar

    Adorei conhecer a Ana.. Muito interessante sua história. Ela disse que leu o livro Leite em Pó… Tô doida pra ler. Beijos

  8. Juliana Carreras 17 de junho de 2016, 22:06 comentar

    Adorei o bate papo! Fiquei louca pra ler o livro! Vou comprar!

  9. Jacky lima 19 de junho de 2016, 01:16 comentar

    Adoro a família Piangers, acho muito bacana o jeito como criam as filhas! Adorei a entrevista!

  10. Fabiana Furlan 19 de junho de 2016, 08:17 comentar

    Adorei a entrevista!!!
    Bacana saber mais sobre a Ana e a forma como ela encara a maternidade!
    Com amor, Fabi.

  11. Tatiane 19 de junho de 2016, 12:29 comentar

    Adorei a entrevista! eu não conhecia e amei, vou acompanhar.

  12. Mãe de Guri & Guria 19 de junho de 2016, 20:19 comentar

    Adorei! Acho que toda mãe é rock mesmo! Já sou fã do Piangers e adorei conhecer mais da Ana.

  13. Michele Gobbato 20 de junho de 2016, 18:06 comentar

    Adorei a entrevista .. Parabéns

    Mi Gobbato – Espaço das Mamães

  14. Mariana Ferreira 20 de junho de 2016, 18:13 comentar

    Adorei a entrevista e é verdade toda mãe é rock

  15. Mariana 25 de junho de 2016, 23:31 comentar

    Adorei a entrevista Clau.
    Parabens
    Mari
    Vamos Mamaes

  16. […] Leia entrevista com Ana Cardoso, autora do livro Mamãe é Rock aqui […]

  17. […] Leia nossa entrevista com Ana Emília Cardoso, A Mamãe é Rock […]

Deixe um comentário

Seu e-mail não será exibido.